Notícias

Tortelli reencontra comunidade da Escola Aberta da Cruzeiro

  • 01/08/2018
Category:

Notícias

Na noite desta terça-feira (31), o deputado estadual Altemir Tortelli (PT) retornou à Escola de Ensino Fundamental da Vila Cruzeiro, em Porto Alegre, para um reencontro vitorioso com a comunidade. A instituição sofria ameaças de encerramento das atividades e transferência de alunos e professores para outros estabelecimentos em 2016 e a intenção do governo estadual foi revertida pela resistência de alunos e professores, com o apoio do parlamentar.

No dia 30 de agosto daquele ano, a situação da escola foi debatida em audiência pública proposta por Tortelli na Assembleia Legislativa, que reuniu representantes de órgãos do Executivo estadual e integrantes da comunidade que constituíram um Grupo de Trabalho para analisar a proposta de realocar a instituição para realizar obras de reforma no prédio da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Fase), onde a Escola funciona há 30 anos.

O resultado foi a manutenção e inclusive a reforma do espaço entre janeiro e agosto de 2017. A Escola conta hoje com dez salas de aula, 18 professores e atende em torno de 200 alunos nos turnos da manhã, tarde e noite. Atende alunos em medida protetiva, que vivem em abrigos, que cumprem medida socioeducativa, em distorção idade-série ou considerados em vulnerabilidade social.

O Programa Escola Aberta incentiva e apoia a abertura, nos finais de semana, de unidades escolares públicas localizadas em territórios de vulnerabilidade social. A estratégia potencializa a parceria entre escola e comunidade ao ocupar criativamente o espaço escolar aos sábados e/ou domingos com atividades educativas, culturais, esportivas, de formação inicial para o trabalho e geração de renda oferecidas aos estudantes e à população do entorno.

Na Escola Aberta não há matrículas, nem segue a rotina de uma escola regular. Os alunos são acolhidos permanentemente, mas não precisam ficar na escola se não quiserem e voltam quando acharem melhor. Eles não passam de ano, mas podem fazer avanços em avaliações que ocorrem três vezes ao ano.