Notícias

Escola Estadual Técnica de Saúde busca apoio de Tortelli para evitar transferência

  • 14/06/2018
Category:

Notícias

 

O Conselho Escolar, direção, docentes e alunos da Escola Estadual Técnica de Saúde do Hospital de Clínicas de Porto Alegre resistem à transferência da sede da entidade para um espaço localizado na Escola Júlio de Castilhos, em Porto Alegre, até o final deste ano. Eles procuraram o deputado Altemir Tortelli que, nesta quarta-feira (13), articulou uma reunião de uma comitiva da escola com o procurador geral substituto do Estado, Cesar Faccioli, para buscar alternativas à mudança de endereço da instituição.

Desde 1998, a escola funciona numa área de 1,8 mil metros quadrados contígua ao Hospital de Clínicas de Porto Alegre e foi construída a partir de um protocolo prevendo que o hospital cederia a área e o Estado construiria o prédio e garantiria professores para a formação de técnicos necessários ao HCPA. Ela mantém 1,2 mil alunos e cerca de 70 professores nos cursos Técnico em Radiologia, Gerência em Saúde, Análises Clínicas e Técnicas em Nutrição. Forma mais de 200 profissionais por semestre, na sua maioria pessoas de baixa renda que assim têm condições de acessar o mercado de trabalho, já que os cursos são totalmente gratuitos.

No final do ano passado, no entanto, o HCPA solicitou à Seduc a área da escola para as obras de ampliação do hospital, iniciadas em 2013, e há alguns dias a Secretaria comunicou a direção sobre a intenção de deslocar as instalações para seis salas de aula no terceiro andar fundos da escola estadual Júlio de Castilhos, o Julinho. Segundo a diretora Rita Mombelli, o local não oferece espaço e nem estrutura para o funcionamento dos quatro laboratórios e de todas as turmas da escola.

O deputado Tortelli lembra que além de desestabilizar uma escola que presta serviços à comunidade, que é a única escola técnica pública em saúde no Rio Grande do Sul, que assegura mão de obra para a rede de saúde e oportunidade a alunos carentes, a decisão da Secretaria de Educação e Cultura ignora a questão patrimonial e a necessidade do Estado ser indenizado pelos valores aplicados na construção do prédio da Escola Técnica, bem como dos investimentos realizados ao longo de sua existência. No semestre passado, por exemplo, foram investidos R$ 120 mil advindos de financiamento do BIRD na qualificação dos laboratórios.

Tags: , ,